28
Mar 08

Sinopse: Quando Daniel Plainview (Daniel Day-Lewis) recebe uma misteriosa dica de que numa pequena cidade do Oeste um oceano de petróleo está revelar-se à superfície, dirige-se até lá com o seu filho, H.W. (Dillon Freasier), para tentar a sua sorte na degradada Little Boston. Nesta miserável cidade onde a maior excitação se centra em torno dos fervorosos seguidores da igreja do carismático pregador Eli Sunday (Paulo Dano), Plainview e H.W. ganham a sorte grande. Com o decorrer do tempo e o aumento da fortuna, nada se mantém igual e à medida que os conflitos vão aumentando todos os valores humanos – amor, esperança, comunidade, fé, ambição e mesmo os laços que unem pais e filhos – são ameaçados pela corrupção, decepção e pelo fluxo do petróleo.
 
Crítica: Este é um filme que marca alguns regressos. O regresso de Daniel Day-Lewis (desde “The Ballad of Jack and Rose” em 2005), Paul Thomas Anderson (desde “Punch-Drunk Love” de 2002) e o regresso do cinema norte-americano aos épicos intemporais sobre ambição e ganância (desde “Citizen Kane”). E logo à partida, deixamos uma vénia a Day-Lewis, o actor-carpinteiro-sapateiro (quase homem dos 7 ofícios…), que aqui se consagra num dos seus melhores papéis de sempre, dando uma vida e profundidade imensas a Daniel Plainview… Diga-se que o Óscar foi mais que merecido…
Este promissor prospector de petróleo – Plainview - revela-se uma “raposa”, ao investir num negócio que começava a prosperar, fazendo fama e fortuna… o que leva um jovem a procurá-lo e indicar-lhe um local onde existe um valioso “mar de petróleo”. Daniel viaja até este ponto, com o seu filho H.W., conseguindo convencer o proprietário a ficar uns tempos nas suas terras, com o pretexto da caça à codorniz, enquanto adquire terrenos circundantes, entrando aos poucos na comunidade fechada de Little Boston, centrada no jovem “pastor” Eli (Paul Dano).
Com o aumento do dinheiro à volta do petróleo, aumenta a ganância, o interesse, a avareza, a competitividade e a vingança dentro daquela pequena comunidade…Todas as personagens representam símbolos da sociedade, com uma grande crítica à forma como o nosso mundo reage ao famoso “ouro negro”.
Conforme referido, do outro lado da esfera de Day-Lewis, reside Paul Dano, o dúbio Eli Sunday, que com um misto de exagero, dedicação e enorme entrega fazem dele uma das (muitas) boas surpresas do ano. O facto de Dano e Day-Lewis terem contracenado no anterior filme do segundo, permitiu equilibrar aqui a balança, dando mais química e ênfase à relação tumultuosa de Eli e Daniel.
Esta é uma película filmada de forma paciente, cuidada e natural (bem ao jeito de Paul Thomas Anderson – vide “Magnólia”), permitindo ao espectador sentir-se parte da realidade de Daniel e entrar num mundo muito falado – e polémico - na nossa sociedade actual, que é o do petróleo.
P.T.Anderson deixa uma crítica: por muita pobreza e miséria que haja no mundo, existem muitos abutres que tentam aproveitar-se de algo que os possa beneficiar…

publicado por FV às 18:19

Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14

16
18
19
21

24
25

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
mais sobre mim

AS

FV